Sexta-feira, 27 de Junho de 2008

O que é para mim a Charola?

 

 

Membros da equipa de restauro e conservação que estiveram a trabalhar na Charola explicam o que esta significa para eles.

 

 

 

publicado por Equipa SAPO às 16:26
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Junho de 2008

Últimas impressões da Charola

 

 

publicado por Equipa SAPO às 15:24
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

As dúvidas são sempre esclarecidas

O visitante Nuno da Mata Almeida ficou ainda com dúvidas acerca da deterioração da Charola do Convento de Cristo:

 

"(...) Qual o principal (ou principais...) factor(es) da deterioração das pinturas ao longo do tempo, que implicou as sucessivas intervenções?"

 

Se num caso, o tramo 16, podemos verificar a presença de sais cristalizados à superfície da pintura/camada cromática - o tramo 16 fica por cima do arco triunfal, local de junção da estrutura da charola com o novo corpo da Igreja/nave, logo um local passível de infiltrações, já resolvidas - nos restantes tramos podemos eleger como principais factores de deterioração o suporte pétreo das pinturas e a intervençao humana.
Repare que na maior parte das pinturas a presença de lacunas da camada cromática não é expressiva no entanto os repintes dissonantes com materiais imcompatíveis são bastante presentes.
Além de uma normal camada superficial de sujidades e poeiras podemos dizer que o homem é o grande responsável pelo estado actual de parte das pinturas - as que ainda não foram intervencionadas, claro está!
As tentativas de anular pequenas lacunas repintando, de alterar o aspecto de certas zonas caiando, de dar ao conjunto maior força expressiva aplicando vernizes...

 

Aguardamos mais dúvidas.

publicado por Equipa SAPO às 12:37
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

Guadamecil na Charola

anteriormente explicámos o que é um Guadamecil. Desta vez Lina Falcão, uma conservadora restauradora, fala em pormenor de um guadamecil existente na Charola do Convento de Cristo.

 

 

Título: "Guadamecil"
Duração: 03:53
Realização: Maria Cristina Antunes
publicado por Equipa SAPO às 13:06
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Mais uma pergunta respondida

Nuno da Mata Almeida, visitante do blog, comentou no post anterior:

 

«Em primeiro lugar, parabéns pelo excelente trabalho!

O restauro que é feito directamente sobre a pedra, tem uma durabilidade de quanto tempo?

A minha pergunta prende-se pelo facto de a cidade de Tomar ser extremamente húmida no Inverno, e do facto de o trabalho ser realizado directamente na pedra, que não é propriamente o material mais permeável à condensação.»

 

Antes de mais o nosso obrigado pelos parabéns!

Relativamente à durabilidade é impossível dar-lhe uma resposta exacta.

 

 Sendo a pintura da Charola executada directamente (ainda podemos usar o adorável c, é aproveitar) sobre a pedra nunca poderíamos, na nossa intervenção, alterar tal facto. Mas apesar da humidade que refere, que é real e facilmente sentida, tal não é factor determinante na conservação das pinturas.

 

A Charola, devido a uma grande inteligência construtiva, apresenta sempre uma temperatura constante de 21/ 22 graus centígrados. Durante a nossa intervenção realizámos um controle constante da temperatura e humidade da área intervencionada e confirmámos tal dados – a humidade varia consoante as alterações atmosféricas mas a temperatura é constante. Ambas são insensíveis à nossa presença, que chegou a ser de 16 pessoas mais a enorme estrutura de andaimes, assim como aos pontos de luz, de 500 W, necessários à execução do trabalho.

 

Estando a pintura ambientada a tal situação grave seria a abolição total da humidade.

Talvez tenha visto o Roma do Fellini. Há aí uma cena que, apesar da rapidez cinematográfica, ilustra bem a consequência de uma rápida alteração atmosférica sobra as pinturas murais – é quando, durante a construção do metro, são descobertas pinturas murais romanas que rapidamente adquirem um véu branco quando expostas, isto é, quando lhes é alterado o seu ambiente natural.

 

Espero que continue a visitar o nosso blog e, principalmente, que visite a Charola.

Tags: ,
publicado por Equipa SAPO às 10:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 6 de Junho de 2008

Agora já sem andaimes

Apesar desta fase do restauro ter terminado, continuamos a recolher materiais e informações sobre a Charola.

 

Desta vez divulgamos um vídeo que explica em pormenor o tramo 16.

 

 

 

 

Título: " Tramo 16, o antes e o depois"

Duração: 05:43

Realização: Maria Cristina Antunes

publicado por Equipa SAPO às 17:02
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Ligações

Arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Subscrever feeds