Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Mais uma pergunta respondida

Nuno da Mata Almeida, visitante do blog, comentou no post anterior:

 

«Em primeiro lugar, parabéns pelo excelente trabalho!

O restauro que é feito directamente sobre a pedra, tem uma durabilidade de quanto tempo?

A minha pergunta prende-se pelo facto de a cidade de Tomar ser extremamente húmida no Inverno, e do facto de o trabalho ser realizado directamente na pedra, que não é propriamente o material mais permeável à condensação.»

 

Antes de mais o nosso obrigado pelos parabéns!

Relativamente à durabilidade é impossível dar-lhe uma resposta exacta.

 

 Sendo a pintura da Charola executada directamente (ainda podemos usar o adorável c, é aproveitar) sobre a pedra nunca poderíamos, na nossa intervenção, alterar tal facto. Mas apesar da humidade que refere, que é real e facilmente sentida, tal não é factor determinante na conservação das pinturas.

 

A Charola, devido a uma grande inteligência construtiva, apresenta sempre uma temperatura constante de 21/ 22 graus centígrados. Durante a nossa intervenção realizámos um controle constante da temperatura e humidade da área intervencionada e confirmámos tal dados – a humidade varia consoante as alterações atmosféricas mas a temperatura é constante. Ambas são insensíveis à nossa presença, que chegou a ser de 16 pessoas mais a enorme estrutura de andaimes, assim como aos pontos de luz, de 500 W, necessários à execução do trabalho.

 

Estando a pintura ambientada a tal situação grave seria a abolição total da humidade.

Talvez tenha visto o Roma do Fellini. Há aí uma cena que, apesar da rapidez cinematográfica, ilustra bem a consequência de uma rápida alteração atmosférica sobra as pinturas murais – é quando, durante a construção do metro, são descobertas pinturas murais romanas que rapidamente adquirem um véu branco quando expostas, isto é, quando lhes é alterado o seu ambiente natural.

 

Espero que continue a visitar o nosso blog e, principalmente, que visite a Charola.

Tags: ,
publicado por Equipa SAPO às 10:16
link do post | favorito
De Nuno da Mata Almeida a 12 de Junho de 2008 às 23:32
Obrigado pela vossa explicação.

Não vi o Roma de Fellini, mas percebo perfeitamente o que querem ilustrar. No entanto, fiquei com a seguinte dúvida: Se a humidade é um elemento intrínseco ao ambiente natural das pinturas, qual o principal (ou principais...) factor(es) da deterioração das pinturas ao longo do tempo, que implicou as sucessivas intervenções?

Obrigado mais uma vez,
--Nuno

P.S.: Tive o prazer de visitar o Convento de Cristo há 2 semanas, e apesar de não poder observar o vosso trabalho mais de perto (por causa da barreira), é claramente evidente a espectacularidade da Charola e o valor que o vosso trabalho trouxe à beleza da Charola. É incompreensível que o Convento de Cristo não seja considerado uma das 7 Maravilhas de Portugal. Porque o é. Mas a minha naturalidade faz me de mim suspeito... ;-)
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Ligações

Arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Subscrever feeds